terça-feira, 23 de março de 2010

"Sangue de tinta" de Cornelia Funke

"- Não! - ela sussurou - Não. Foram somente palavras bonitas. Só que o meu pai não é feito de palavras de Fenoglio, e sim de carne e osso.
- E daí? O que isso tem a ver? - Farid puxou sua mão do rosto molhado de lágrimas. - Talvez tudo seja feito de palavras. Olhe para mim. Belisque-me. Por acaso sou de papel?
Não, ele não era. E, embora estivesse chorando, Meggie teve que sorrir quando ele a beijou." (pág. 292)

Sou eu, você e todo o mundo feitos de palavras? Não somos apenas uma história contada por um livro que alguém lê? Será que dentro de cada livro não existe seres tão reais quanto nós, feitos de sangue de tinta, carne de papel? Quando alguém nos diz que "está escrito", não estará mesmo? "...certamente não acreditaria que existem palavras que podem definir um destino, palavras que eram como caminhos invisíveis dos quais não havia como escapar". (pág. 463) Durante o decorrer da história a autora trata sobre o poder das palavras; sobre como elas podem mudar uma vida, um destino; o quanto elas são poderosas e poucas pessoas se dão conta disso. Com as palavras, novos universos são criados, sonhos podem ser vividos e realizados, e a própria realidade pode ser transformada. Você acredita nisso? Eu acredito. Tudo parece real e possível com a leitura deste livro, pois Cornelia Funke cria "O mundo de tinta" de forma tão magistral - tudo tão bem escrito e descrito -, com uma história tão desejável de ser verdadeira que ela realmente se torna real durante a leitura, com a sensação de que, talvez, sejamos também de tinta e papel.

Melhor que descobrir ser capaz de trazer seus personagens favoritos para a realidade, não seria ter o poder de se transportar para dentro do seu livro preferido?
Meggie - que no primeiro livro descobriu possuir o dom de seu pai para trazer personagens de livros à realidade - neste segundo livro da trilogia "Mundo de Tinta" faz algo que nenhum outro possuidor de tal dom, nem mesmo o seu pai "Língua Encantada", é capaz: Meggie lê a si mesma para dentro do livro "Coração de tinta" junto com Farid e Gwin - a marta.
Reacheado de aventuras em um universo completamente mágico, Meggie aliada ao Dedo Empoeirado - que por razões não muito claras (por amor à Resa? por sentimento de culpa? ou por Farid, seu filho de consideração?) deixa de ser o personagem que só pensa em salvar sua própria pele para se tornar um herói até as últimas páginas. A propósito, não se esqueçam de preparar os lenços para as últimas páginas!
Além de tudo isso, neste segundo livro surge um doce romance entre Meggie e Farid, além é claro, de falar sobre o amor entre pai e filha, ou entre filho e pai de consideração. Sem dúvida, um livro imperdível para quem gostou ou não do primeiro livro da trilogia. Quem não gostou muito do primeiro, vai gostar demais deste e quem gostou, vai amar este segundo livro. Simplesmente fantástico! Uma verdadeira obra-prima!

Nota: 5/5 - Excelente!




Agora, vou torcer para que lancem a continuação do filme, com o Brandon Fraser, é claro! Adorei que a Cornelia Funke tenha dedicado este segundo livro para ele!

sábado, 20 de março de 2010

Meu mês de março recheado de livros novos!

O mês nem terminou e já estou cheia de novos livros na estante! Como eu disse em um post anterior - por este ser o meu mês, reservei-me o direito de me dar muitos presentes! Claro, alguns livros eu ganhei e ainda devo ganhar mais um, e comprar, pelo menos, mais dois até o fim de março.  =0)

Minhas novas aquisições são:

1- A História - A bíblia contada como uma só história do começo ao fim, Fabiano Morais
Quantas vezes você tentou ler a Bíblia, mas desistiu por achar a leitura cansativa e complicada? No fundo, provavelmente continuou com vontade de conhecer esse texto por ter consciência de sua importância na história da humanidade.
Agora você vai ter oportunidade de saber o que há de essencial na Bíblia, pois A História é um livro que vai prender sua atenção no princípio ao fim.


2- Eu sou Alice, Melanie Benjamin
Todos conhecem a pequena Alice que um dia caiu na toca de um coelho e entrou no mundo das maravilhas. Mas quem foi Alice Liddell, a menina que aos 7 anos inspirou Lewis Carroll a criar a história que encanta gerações até hoje? Misturando realidade e ficção, Eu sou Alice conta como surgiu um dos maiores clássicos da literatura e a lenda por trás da personagem principal. Uma história que vai tocar o coração de todos com sua beleza. Entre neste País das Maravilhas.

3- A arte perdida de guardar segredos, Eva Rice
Ambientado na Inglaterra pós-II Guerra, o livro é um delicioso relato sobre as mudanças sociais experimentadas pela classe média. Penelope Wallace é uma garota de 18 anos, que não agüenta mais a mãe e o irmão, e cujo sonho é arranjar um namorado e freqüentar a efervescente cena cultural de Londres.

4- O grande livro de histórias de fantasmas, Richard Dalby
Não é à toa que grande parte das melhores histórias de mistério e horror trazem como ponto central uma mulher tão brava quanto apavorada, quase sempre às voltas com acontecimentos inexplicáveis. Ou então uma figura feminina atormentada que é a causa de eventos assustadores. Desde sempre, mulheres e fantasmas convivem frequentemente nas páginas dos livros. O Grande Livro das Histórias de Fantasmas, um projeto concebido pela virago Pressa, editora inglesa dedida exclusivamente a livros escritos por mulheres, busca comprovar isso. No livro, o olhar feminino incide direta e precisamente em um dos gêneros clássicos da literatura, os contos de horror. As perspectivas apresentadas nas 34 histórias, contudo, são as mais variadas. Há narrativas tradicionais e estudos psicológicos modernos, clássicos contos de casas mal-assombradas e fábulas de mistério de teor feminista. Algumas das histórias são inquietantes; outras, francamente assustadoras; mas todas são narrativas antológicas que investigam como mulheres lidam com a paixão, a angústia e a raiva. As 31 autoras britânicas reunidas em O Grande Livro das Histórias de Fantasmas estão entre as mais importantes dos séculos XIX a XXI. Algumas dedicaram suas vidas a histórias de suspense e mistério, outras se entregam aqui a um raro exercício no gênero. A lista inclui Charlotte Brontë, a mais velha das irmãs do clã, autora de Jane Eyre; Edith Wharton, ganhadora de um prêmio Pulitzer por A Era da Inocência; May Sinclair, crítica literária e uma das mais ativas militantes pelo voto feminino em sua época; A. S. Byatt, autora de Possessão e Anjos e Insetos, de produção longa e ainda na ativa, e muitas outras.

5- Tem alguém aí?, Marian Keyes
Em "Tem Alguém Aí?", Marian Keyes nos conta a história de Anna, que, após sofrer um grave acidente de carro em Nova York, volta para Irlanda a fim de se recuperar ao lado da família. Contudo, após um tempo com os pais, ela decide que é hora de voltar para os Estados Unidos e reencontrar o marido Aidan, os amigos, e retomar seu emprego como relações públicas da Candy Grrrl, poderosa empresa de cosméticos. Chegando a Nova York, Anna não encontra Aidan - ele não retorna seus telefonemas, emails e mensagens de voz. O que terá acontecido com ele? "Tem Alguém Aí?" é extremamente divertido, perfeito para quem procura um livro tanto para reflexão quanto para diversão. É o quarto romance que traz como protagonista uma das irmãs Walsh: Claire, em "Melancia", Rachel, em "Férias", Maggie, em "Los Angeles", e agora, Anna.
 
6- O mundo pós-aniversário, Lionel Shriver
"O Mundo Pós-Aniversário" retrata o relacionamento aparentemente sólido de um casal de americanos radicado em Londres. Ele é um disciplinado pesquisador de um instituto de estudos estratégicos; ela, uma acomodada ilustradora de livros que depara com uma vontade incontrolável de beijar outro homem; um velho amigo do casal, impetuoso jogador de sinuca que figura no topo do ranking do esporte, um dos mais populares entre os britânicos.
Capítulo a capítulo, Lionel Shriver nos oferece desdobramentos do futuro dessa mulher sob a influência de dois homens radicalmente diferentes, e assim escreve duas histórias. A partir daquele único beijo, mostra alternativas de união ou rompimento, e explora as conseqüências e as motivações mais íntimas de uma escolha.
Determinar qual seria o melhor caminho não é óbvio nem fácil, mas a análise dos dois destinos nos quais a autora enreda os personagens e os leitores é memorável. Escrito com a sutileza e a sagacidade que são as marcas registradas da obra de Lionel Shriver, O mundo pós-aniversário é um apelo para aquele "talvez" que intriga e provoca todos nós.


7- O chá do amor, Jennifer Donnelly
Falta um ano para que o jovem casal de namorados, Fiona e Joe, realize seu grande sonho – casar-se e abrir a própria loja de chá. Depois de tantos anos economizando cada centavo, tudo indica que, finalmente, estão próximos do final feliz. Mas o que parecia pouco tempo se transforma em uma eternidade quando uma série de trágicos e dolorosos acontecimentos se interpõe na vida deles, e eles se distanciam cada vez mais um do outro.
Fiona vai para a América, no que considerava a sua maior aventura. Mal sabia ela que não há aventura maior que o amor...
 
8- Um amor detetive, Sarah Mason
Neste divertido romance de estréia de Sarah Mason, "Um amor de detetive", os opostos se encontram e - como não poderia deixar de ser -, também se atraem. A bela Holly Colshannon é uma ambiciosa e desastrada jornalista da Bristol Gazette. James Sabine (apenas um pouco mais bonito do que ela), é um sargento-detetive durão, grosseiro e ressentido. Levados pelo acaso, eles se encontram diversas vezes por conta de uma série de coincidências bastante oportunas. Rapidamente, a determinada Holly vê em James a grande chance de progredir em sua carreira e decide segui-lo por um período de seis semanas a fim de escrever uma coluna crimina, que poderá vir a ser o seu primeiro sucesso jornalístico. O lado positivo da situação é que ela consegue obter a tão sonhada coluna O lado negativo é que o bonitão não está nem um pouco feliz com a presença constante de Holly em sua vida.


9- Ilha do medo, Dennis Lehane
No verão de 1954, o xerife Teddy Daniels chega a Shutter Island com seu novo parceiro, Chuck Aule. A dupla deverá investigar a fuga de uma interna do Hospital Psiquiátrico Ashecliffe, reservado a pacientes criminosos, em meio à angustiante expectativa de um furacão que precipita uma revolta entre os presos, levando o medo ao limite.

10- Um livro por dia, Jeremy Mercer
As memórias de um jornalista mochileiro no melhor estilo bibliomania. Uma aventura literária na Paris da virada do milênio. Mais do que a fascinante história da livraria mais charmosa do mundo, a Shakespeare and Company, o livro conta, com um humor impagável, o dia-a-dia de seus personagens e a boemia cultural nas ruas. Com pouco dinheiro no bolso, Jeremy Mercer partiu para a França. Um dia aceitou o convite de uma balconista da Shakespeare and Company para uma xícara de chá. Descobriu que poderia dormir e viver na livraria em troca de prestar serviços diários no local. Fazia parte do trabalho ler pelo menos um livro por dia.


11- O paciente inglês, Michael Ondaatje
Numa vila italiana abandonada, durante os últimos momentos da Segunda Guerra, quatro pessoas se encontram. O autor nos apresenta uma a uma. Vamos conhecendo suas feiçoes, suas origens e, sutilmente, o autor vai nos abrindo seus segredos, levando-nos através de suas memórias como através dos corredores de uma casa secreta. Cena após cena vamos reconstruindo o mosaico das quatro histórias, e acompanhando o encontro delas no cotidiano da Villa San Girolamo.

12- Orgulho e Preconceito, Jane Austen (L&PM)
'Orgulho e Preconceito' apresenta o romance de Elizabeth Bennet, segunda mais velha dentre cinco filhas solteiras de uma família inglesa sem muitas posses, e Fitzwillam Darcy, um rico esnobe que a conhece em um baile e, diferente dos mocinhos clássicos, não fica imediatamente encantado por ela. A busca das jovens mulheres por um bom casamento na sociedade inglesa rural do século XIX é o mote do romance e também o principal alvo da crítica da escritora.

13- Criança 44, Tom Rob Smith 
Tom Rob Smith leva o leitor à opressora Rússia de Stalin. Quando o corpo de um menino é encontrado sobre os trilhos de uma ferrovia, o agente Liev Demidov se surpreende ao saber que a família do garoto está convencida de que se trata de assassinato. Os superiores do oficial lhe dão ordens de ignorar o assunto, mas ele está determinado a encontrar a verdade por trás do terrível crime.




Os livros que pretendo ainda  adquirir este mês são: "Aura Negra" de Richelle Mead, "Anjos Rebeldes" de Libba Bray e "Luxo" de Anna Godbersen. Ah, e claro, pode ser que eu ganhe algum livro nas muitass promoções que estou participando...!
Os livros "O chá do amor" e "A arte perdida de guardar segredos" foi uma recomendação do blog Nossos Romances! Adorei a dica! =0)

domingo, 14 de março de 2010

A princesa leal, Philippa Gregory

"Seu destino já estava traçado: tornar-se rainha da Inglaterra"

Catarina de Aragão: filha de Fernando de Aragão e Isabel de Castela, infanta da Espanha, princesa de Gales e posteriormente rainha da Inglaterra.
A caçula dos filhos dos reis da Espanha foi prometida aos três anos de idade ao príncipe Artur, filho do rei Henrique VII da Inglaterra. Nasceu e cresceu em um acampamento, em uma época de guerra, quando a Espanha lutava contra os mouros e liderava uma cruzada em 'nome de Deus' e pela 'fé cristã', praticamente liderada por sua mãe.
Desde pequena Catarina foi preparada para tornar-se rainha. Com 15 anos, parte para Inglaterra e casa-se com Artur, porém alguns meses depois encontra-se viúva. Alegando que Artur era impotente e que o casamento jamais foi consumado, Catarina visa casar-se com o próximo herdeiro ao trono, o mimado príncipe Harry (Henrique VIII), seis anos mais novo do que ela.
Longos sete anos de espera se passam, praticamente esquecida na Inglaterra, sem ajuda financeira de seus pais ou do rei Henrique VII, Catarina quase não tem mais esperanças quando finalmente casa-se com Henrique VIII e tornar-se o que por toda sua vida foi criada para ser: rainha.
Philippa Gregory nos apresenta um romance histórico envolvente e gostoso de ler.

Considero a parte em que Catarina está casada com Artur um pouco cansativa - um tanto sem grandes emoções, apesar das interessantes narrativas da personagem ao marido sobre sua vida na Espanha - mas apesar disso, o livro é fantástico. Três pontos que destacam o livro: abordar o primeiro casamento de Catarina e sua vida na Espanha. E, a mudança de narração durante a história, entre a primeira e terceira pessoa, que deixa a leitura ainda mais interessante. É difícil não se imaginar na pele de Catarina quando tão novinha deixa sua casa, sua mãe, seu país para viver com um menino que não conhece em um país com costumes diferentes. Além da sua tamanha responsabilidade. Eu adorei conhecer um pouco sobre a história de Catarina e de luta e, principalmente, obstinação em alcançar o que acredita lhe pertencer: trono da inglaterra.  Recomendassímo!!! E, logo quero ler "A irmã de Ana Bolena", assisti ao filme ("A outra") e amei, acredito que irei amar o livro também! Nada me fascina tanto quanto a história de Henrique VIII e suas esposas.
 
Nota:5/5
 
Demais livros publicados no Brasil da autora:
A princesa leal
A irmã de Ana Bolena
A herança de Ana Bolena
O amante da virgem
O bobo da rainha

Selinho:


Recebi este selinho da Dominique - que possui um super blog que eu adoroo: Livros, filmes e música; e repasso aos blogs - que também adoro!

sexta-feira, 12 de março de 2010

"A pequena Dorrit" de Charles Dickens e Lançamentos da BBC!



Sipnose: Um livro relativamente desconhecido de Charles Dickens: Little Dorrit, ou "A Pequena Dorrit", que de pequena não tem nada, já que se trata de uma obra de mais de mil páginas, embora tenha sido escrito entre 1855 e 1857, seu tema central continua atualíssimo: Amy Dorrit é a filha caçula do presidiário William Dorrit, encarcerado na prisão de devedores de Marshalsea há mais de 20 anos. Note-se que na época de Dickens era este o destino de qualquer homem que não tivesse meio de saldar suas dívidas, tendo o próprio pai do autor passado por uma experiência similar na mesma prisão. Apesar de nascida e criada na prisão, Amy é, paradoxalmente, uma pessoa internamente livre, por não ser apegada ao excesso de materialismo que escravizam seu pai, o irmão jogador e a irmã mais velha, uma dançarina de cabaré vulgar e fútil. A pequena Dorrit divide o pouco que ganha em seu trabalho de costureira com o pai e amigos, e desenvolve ao longo dos episódios uma fiel amizade com o filho de sua patroa, Arthur Clennam, um homem generoso que se revolta com as injustiças sociais a sua volta e vê em Amy um exemplo de coragem e determinação. Graças a uma complexa rede de intrigas por onde transitam vários personagens secundários tipicamente "Dickensianos", os prováveis destinos de Amy e Arthur vão se invertendo de modo surpreendente.

(Por Emilia Ferraz, Blog Bolsa de Mulher)

É uma pena ser tão difícil de encontrar o livro, e quando o encontramos, ser uma adaptação e não uma tradução completa da obra de mais de mil páginas (a maior adaptação que encontrei não chegava a trezentas!). Considero essa mutilação uma depreciação a uma obra de um autor tão renomado. E, só restam as seguintes opções: me contentar com o que tenho, esperar pela boa vontade de alguma editora, ou aperfeiçoar meu inglês, apesar de ser tão mais gostoso poder ler na nossa língua tão bela...
Mesmo assim, eu recomendo a leitura da adaptação para quem não conhece a história, e que por ser curta dá pra ler em apenas um dia. Só por ser Charles Dickens, já vale a pena!
Ah, e se vocês acham que eu não encararia mais de mil páginas de Dickens, estão enganados! Seria um prazer! rs.

Quem quiser o e-book para conferir:


Há também a belíssima adaptação da BBC - com o nosso lindo Mathew McFadyen (Mr. Darcy da versão de 2006 de Joe Wright) que faz o personagem  o Mr. Arthur Clennam e está apaixonante!

video


Quem quiser baixar a série é só entrar na comunidade do orkut: Little Dorrit.

A boa notícia é que algumas séries da BBC estão sendo lançadas no Brasil pela Log on Editora Multimidia .

Já está a venda a adaptação do clássico de Jane Austen, "Emma":





Emma é a história de uma jovem tão empenhada em arranjar o amor para os outros que não conseguia ver o que se passava diante de seus próprios olhos. Linda, inteligente e rica, Emma Woodhouse gasta seu tempo bancando o cupido, mas se dá conta de que as pessoas não são como ela imaginava e se vê forçada a amadurecer. Uma das produções mais esperadas da BBC em 2009, Emma reúne um elenco estelar com Jonny Lee Miller (Trainspotting, Byron), Michael Gambon (Cranford, Gosford Park) e Romola Garai (Atonement), em uma montagem primorosa da obra de Jane Austen.


 
 
 E está em pré-venda o clássico de Dickens, "Oliver Twist":
 




Uma noite fria de um inclemente inverno inglês foi o ambiente no qual Charles Dickens deu vida a Oliver Twist, menino pobre que é tirado do caminho do crime por um gesto de bondade. Essa poderosa montagem da BBC de um dos maiores clássicos da literatura inglesa conta a história do órfão que sofre as agruras da Inglaterra Pré-Vitoriana e luta contra uma sociedade que não lhe dá chances. Com roteiro de Sarah Phelps, da Royal Shakespeare Company, Oliver Twist dá um toque contemporâneo a um texto clássico sem deixar de ser fiel a ele. Indicado para três prêmios no BAFTA Awards, a produção é um marco da TV britânica em seu gênero.
 
 
Os DVDs já são encontrados na Livraria Saraiva.com .

domingo, 7 de março de 2010

Um olhar do paraíso

Livro: Uma vida interrompida - Memórias de um anjo assassinado, Alice Sebold

Sinopse

A história de Susie Salmon, quando começa a se desvelar na sua frente, faz os compromissos, assim como os amigos, a família, a fome, o sono e até o celular tocando, parecerem bem pouco interessantes e menos urgentes. Os ossos do título em inglês (The Lovely Bones) não são os restos de Susie, a menininha que conta a história depois de morta. São a estrutura sobre a qual a vida é construída. Outra audácia é a de colocar Susie Salmon no céu. Sim, é para cima que vai nossa protagonista. E é para baixo que ela olha, com olhos atentos, enquanto conta a história de sua família , agora traumatizada, de como seu assassino planeja os detalhes minuciosamente para não ser descoberto, de como a polícia não tem nenhuma pista sobre como chegar a ele. A partir daí ela conta que, por estar inconformada com sua morte precoce, e um tanto entediada com a vida no Céu, decidiu acompanhar como sua família, amigos e o próprio assassino continuaram suas vidas após a tragédia.
 
Alguém leu este livro? Eu não li ainda. Mas assisti ao filme baseado  na obra e vim falar um pouco sobre ele aqui.  Não sei se eu esperava tanto deste filme que me decepcionei um pouco ou se o filme realmente deixa a desejar. A história é ótima - tanto que fiquei com vontade de ler o livro! - apesar de trágica, ainda assim saí do cinema com uma sensação de que 'poderia ser melhor'. Os efeitos especiais do filme para recriar o 'mundo' da menina após a morte foram muito bem produzidos, mas não me conveceram; essas cenas do filme lembram bastante o filme "Amor além da vida" - que é um dos meus favoritos! -, mas neste filme parece forçado e nada original. Além disso, parece que houve grande preocupação com os efeitos do filme e pouca com o roteiro, deixando muitos atores bons em papéis coadjuvantes pouco desenvolvidos.
Outra questão é que eu realmente não sei que gênero definir o filme. É drama que tenta ser engraçado, é suspense - que me deixou realmente tensa em muitos momentos-, é romance...
Ah, e o filme não termina como a gente imagina, o que eu não sei é bom ou ruim. Assistam e entenderão o que eu quero dizer.
Mas, falando dos pontos positivos, a atuação de Saoirse Ronan - atriz de "Desejo e Reparação" - estava ótima, teve algumas cenas que eu quase enfartei de nervoso no cinema, em outras eu chorei, e como eu disse a história de um modo geral é interessante.
 
Nota: 3/5
 
Após ser brutalmente estuprada e assassinada, menina assiste aos efeitos de sua morte se abaterem sobre sua família: enquanto sua irmã começa a se tornar a mulher que ela nunca será, seu pai fica obcecado com a ideia de vingança.
 
Duração: 135 min.
Titulo original: (The Lovely Bones)
Lançamento: 2009 (Nova Zelândia) (Reino Unido) (EUA)
Direção: Peter Jackson
Atores: Saoirse Ronan , Mark Wahlberg , Rachel Weisz , Susan Sarandon , Stanley Tucci
Gênero: Drama

quarta-feira, 3 de março de 2010

Novas aquisições

Bem, como é uma prática comum no mundo blogueiro - especialmente dos que tratam sobre livros - escrever sobre os livros novos na estante, resolvi também aderir aos posts que tratam sobre tal tema. Eu, provavelmente não vou fazer sempre isto, pois compro livros com muita frequência e logo todos ficariam cansados de ver os posts do blog sobre o mesmo assunto - as minhas queridas comprinhas. Este mês, por exemplo, pretendo fazer muitas compras... Afinal, é o mês do meu aniversário e vou me dar muitos presentes! rs. (Olha a desculpa da compulsiva!)
Então, vamos aos livros que comprei:





Diários do vampiro: O despertar, L. J. Smith - Um triângulo amoroso entre dois vampiros e uma bela jovem conquistou uma enorme legião de leitores. "O Despertar", primeiro volume da série de L. J. Smith lançado originalmente em 1991, deu origem à série de televisão Vampire Diaries, escrita e produzida por Kevin Williamson, roteirista de Dawson’s Creek.
Irmãos e inimigos mortais, Damon e Stefan Salvatore são assombrados por um passado trágico. Vivendo nas sombras desde a Renascença italiana, eles estão condenados a uma vida solitária: são vampiros. Séculos mais tarde, o destino parece levá-los a percorrer o mesmo caminho que um dia os conduziu àquela vida amaldiçoada e eterna.
Em Fell’s Church, na Virgínia, Stefan conhece Elena Gilbert, uma adolescente bela e popular. No encalço de Stefan, Damon procura vingança, e logo Elena se verá divida entre os dois irmãos — e entre o amor e o perigo.
"O Despertar" é o primeiro volume da série best seller.
 
Diários do vampiro: O confronto, L. S. Smith - Elena está apaixonada e tem certeza de que Stefan é um amor para a eternidade. Mas a cada vez que Damon se aproxima, fica evidente um vínculo profundo entre os dois. Determinado a conquistar Elena, Damon se infiltra no cotidiano de Fell’s Church. Ameaçado pelo irmão, Stefan não suporta a ideia de perder Elena - e está disposto a arriscar tudo e ir contra seus próprios princípios para protegê-la.

Diários do vampiro: A fúria, L. S. Smith - Após os inacreditáveis acontecimentos em Fell’s Church, Elena está prestes a iniciar uma nova vida. Ela realmente esqueceu seu antigo amor? Damon e Stefan precisarão se unir por sua amada, mas uma força sobrenatural e misteriosa vigia a todos.

Buracos, Louis Sachar - Acusado de roubar um precioso par de tênis, Stanley Yelnats é condenado a ir para um reformatório, localizado no leito seco de um lago. Todos os dias, casa um dos internos é obrigado a escavar um imenso buraco na terra dura e seca, sob um sol de rachar. Stanley percebe que na verdade os chefes do reformatório buscam alguma coisa que deve estar enterrada por ali. As relações entre os internos, as dificuldades para conseguir água, as brigas pelo poder entre os meninos e entre os dirigentes se entrelaçam com a revelação de episódios envolvendo os antepassados de Stanley, de seu amigo Zero e dos habitantes do lugar, na época em que o lago ainda existia. Os fatos se encadeiam, explicando o azar que sempre perseguiu a família Yelnats e a acusação injusta a Stanley.

A estrada, Cormac McCarthy - Num futuro não muito distante, o planeta encontra-se totalmente devastado. As cidades foram transformadas em ruínas e pó, as florestas se transformaram em cinzas, os céus ficaram turvos com a fuligem e os mares se tornaram estéreis. Os poucos sobreviventes vagam em bandos.
Um homem e seu filho não possuem praticamente nada. Apenas uns cobertores puídos, um carrinho de compras com poucos alimentos e um revólver com algumas balas, para se defender de grupos de assassinos. Estão em farrapos e com os rostos cobertos por panos para se proteger da fuligem que preenche o ar e recobre a paisagem.
Eles buscam a salvação e tentam fugir do frio, sem saber, no entanto, o que encontrarão no final da viagem. Essa jornada é a única coisa que pode mantê-los unidos, que pode lhes dar um pouco de força para continuar a sobreviver.
"A Estrada" representa uma mudança surpreendente na ficção de Cormac McCarthy e talvez seja sua obra-prima. Mais que um relato apocalíptico, é uma comovente história sobre amadurecimento, esperança e sobre as profundas relações entre um pai e seu filho.


O vendedor de armas, Hugh Laurie - Quando Thomas Lang, ex-militar de elite recebe uma proposta de 100 mil dólares para assassinar um empresário norte-americano, ele decide, imediatamente, alertar a suposta vítima - uma boa ação que não ficará impune.Em questão de horas Lang terá de se defender com uma estátua de Buda, jogar cartas com bilionários impiedosos e colocar sua vida (entre outras coisas) nas mãos de muitas mulheres fatais, enquanto tenta salvar uma linda moça e impedir um banho de sangue mundial.Encontramos nesta história muito do que se vê em um episódio de House, o mau espiríto salvador e a réplica assassina de Hugh Laurie, a serviço de uma intriga apaixonante e de um personagem que não será esquecido tão cedo. Um ator que saiba escrever bem é algo raro, mas Hugh Laurie, misturando humor com uma eficacidade hollywoodiana, faz uma entrada talentosa no mundo da literatura.
(sipnoses extraídas do site da saraiva)

Não posso deixar de comentar o motivo pelo qual escolhi estes livros, como "Diários do vampiro" que - apesar das críticas não muito boas que li por aí - não pude deixar de comprar por ser uma louca, vicíada na série. Sim, eu confesso, não consegui escapar dessa 'modinha' de vampiros. Outro livro que comprei por causa de uma série da TV é "O vendedor de armas", escrito pelo ator de outra das minhas série preferidas "House", o Hugh Laurie.
O livro "Buracos" - que, acredito, pouca gente conhece - foi que baseou o roteiro do filme "O mistério dos escavadores" - também um filme que, acredito, pouca gente viu - que assisti e adorei. Quando descobri sobre o livro não pude evitar a compulsão por comprá-lo - apesar da capa feinha -, pois se não for muito diferente do filme, trata-se de uma história cheia de mistério e aventuras.
"A escolhida" eu comprei por já ter os outros dois primeiros livros que, confesso, ainda não li. E, "A estrada", depois da indicação da Dominique do blog "Livros, filmes e música", eu fui procurar mais informações sobre o livro, li a sipnose e os comentários e fiquei também interessada.

Obs.: Não reparem na péssima qualidade das fotos, foram tiradas do meu celular velhinho. rs